O que esperar com a vinda da NPC para o Brasil

Uma nova porta se abre para o bodybuilding brasileiro. Uma das organizações mais respeitadas mundialmente aterrissa em “terras brasilis’ com o objetivo de trazer mais uma oportunidade de reconhecimento no esporte. A NPC será representada pelo Muscle Contest e promete colocar o Brasil no mapa do bodybuilding mundial.

A NPC  é a maior organização do bodybuilding amador nos Estados Unidos e a sua chegada trará não somente mais glamour e respeito ao esporte no Brasil, mas também  trará mais visibilidade aos atletas dentro do cenário mundial, possibilitando mais oportunidades de ProCard e também prêmios em dinheiro para os profissionais.

Desde o Olympia Vegas de 2017 há muita especulação sobre o futuro do bodybuilding no Brasil e no mundo. A principal mudança é que agora há o poder de escolha. O atleta tem opções e poder escolher como trihar sua carreira, algo básico para qualquer professional, mas para os atletas de fisiculturismo era raridade. Suas competições e escolhas sempre eram submetidas à comitês organizadores ou mesmo à sacrificios de preliminaries que só desgastavam saúde, finanças e também seu tempo.

Competir na liga amadora era um martírio, pois para conseguir chegar às renomadas competições os concorrentes obrigatoriamente tinham que participar de diversos shows menores, o que é  desgastante e caro. Isso sem mencionar que muitas o atleta não alcançava seu sonho. A ideia do NPC Brasil é colocar o atleta em foco, dando oportunidade de competir aonde quiser, sem punições e sem politicagem, pelo menos essa é a promessa.

Ter opções de escolha faz parte de um movimento democrático e isso está se refletindo no esporte. Obviamente precisamos de orgãos reguladores que promovam a ordem através de regras explícitas, mas que não os privem da liberdade.

Essas novidades se devem muito à participação de atletas e ex-atletas na organização da NPC Brasil. O primeiro a tomar essa posição foi Gustavo Costa que, além de ter vivido como atleta nos Estados Unidos, sempre foi unanimidade entre os atletas do Rio de Janeiro onde era presidente da IFBB Rio e também do Brasil, pois era vice-presidente da IFBB Brasil. Seu posicionamento despertou inúmeros outros amantes do esporte para se posicionar à favor do atleta. Julio Balestrim também é um grande nome do fisiculturismo nacional que irá promover a NPC em São Paulo.

Essa divisão dentro do esporte amador propiciou essa evolução. Um caminho sem volta, mas o que levou a esse ponto?

Acredito que opressão em que viviam muitos atletas e também o espaco aberto à corrupção causou essa ruptura. Muitos atletas viveram anos à sombra da IFBB amadora esperando uma oportunidade de trilhar uma carreira no profissional, mas os era negado devido à burocracia e regras descabidas. Muitos encerraram a carreira sem ter a oportunidade de pisar em um palco profissional, inibindo sonhos e realizações maiores.

A evolução no esporte foi suprimida em vários países ao deleite de poucos. Os detentores do poder controlavam e extorquiam atletas com taxas de inscrição abusivas e que não refletiam o glamour do esporte em suas competições.

Há relatos dessas perdas não só no Brasil como no mundo, o último Arnold Classic Ohio testemunhou a ascensão de um grande atleta, Kamal Elgargni (@ifbb_pro_kemo) ficou preso à liga amadora durante 10 anos (entrevista complete disponível no canal do youtube Generation Iron), mas após a ruptura recebeu o seu Pro Card e em seu primeiro Arnold Classic Ohio como profissional foi consagrado campeão. Aos 46 anos realizou um sonho de uma vida, quantos outros atletas estavam à espera de reconhecimento e foram privados por quaisquer motivos?! Vamos celebrar a abertura de mais uma porta, mas nunca esquecer o que passaram para perdurar as conquistas.

Por Aretha Santisteban 

Compartilhar

4 Comentarios

  1. Agora sim um reconcimento melhor a onde o atleta possa ter um direcionamento melhor para sua carreira, por que se continuasse desta forma não ia ter muitos atleta eu acredito por que vc , se sacrificar se dedica um gasto abusivo , para nada não faz sentido tudo bem que ama o esporte mais assim não daria pra viver para o fisiculturismo então com isso faz o atleta ter um caminho uma luz , parabéns pela oportunidade que estão dando para o atleta , daqui um pouquinho de tempo estarei participando , desse Esporte que amo mais que tudo abraço.

  2. Por favor gostaria de saber quando e como posso me filiar e se realmente a npc vai vir ou já está no Brasil , sou coach eu e minha atleta não sabemos o que fazer ou em qual federação se filiar .

  3. Boa noite! Gostaria de saber pq não tem a categoria acima de 60 anos pra homem? Pois tem o atleta que está se preparando a 3 meses, está quase pronto. Só hoje vinhemos saber que não tem a categoria acima de 60 anos.

Deixe seu comentario

Insira seu comentario
insira seu nome aqui